28.8.08

O sonho de Ícaro

(e o meu!)
Finjo ser pássaro e, na efervescência emprestada, tatuo, a prata, as asas que não tenho.


"
O sonho de ícaro vai no anil
Anéis de saturno estão no cenário
Num
pássaro de asas de papel
Vão as tatuagens de um relicário."

Luís, Pedro - Donna Maria. (2004). Azulejos voadores. Tudo é para sempre. 

11 comentários:

No Limite do Oceano disse...

Vim pela primeira vez ao teu blog "Os novelos também contam histórias" e o que te posso dizer é que há muito para ver e ler e quem quer ainda pode pensar um pouco :- )

Se pudéssemos ver pássaros o que seria passado um tempo decerto que iríamos desejar voltar a ter as pernas de volta :-p

Pedro_Berenguer disse...

Hello "no limite do oceano", welcome. :)

clepsidra disse...

E quando acordo e percebo que o meu voo de pássaro foi só um sonho recomeço tudo de novo. Do chão, apanho uma a uma as penas de prata até voltar a adormecer.

Pedro_Berenguer disse...

E se tentares voar acordado? E se pedires boleia a alguém?

clepsidra disse...

Todos os que me deram boleia deixaram-me cair, lá das alturas, e tudo o que restou de mim foram angústias. Agora não sei se posso voltar a confiar nas asas dos outros.

Talvez consiga acabar as minhas antes de adormecer... e voar acordada...

Pedro_Berenguer disse...

Recorta umas em papel e tatua-lhes penas para que esvoacem.

clepsidra disse...

Cada palavra que escrevo é mais uma pena, e outra, e outra...
Vejo pontos de luz no tecto do meu quarto. Serão estrelas? Será que consegui?

Isa disse...

Acho isto tudo lindo:imagem.poema.música ...
Muito bom gosto!

Pedro_Berenguer disse...

Menina Isa sempre a me fazer corar! Por acaso também gosto muito desta música. ;)

efervescente disse...

o ícaro foi um fugitivo. não seguiu o trilho aconselhado e perdeu-se no respirar, com as asas que lhe foram doadas.
com a mesma cera que lhe foram coladas as penas fizeram-se velas que acompanharam o cortejo fúnebre de corpo ausente. Voar anil é voar para o céu, é morrer e ter descanso eterno...

Maria disse...

Isa: Concordo,plenamente, consigo.
Ele merece o elogio.
Não o fiz antes porque sou suspeita ao falar dele - ainda pensam que me paga bem para o fazer.

Pedro: Palavras para quê? Já conhece a minha opinião sobre o seu blog!


Bjnhs